quinta-feira, 30 de junho de 2005

A série que passa (II)



Sendo da rival abc, pode também tornar-se um vício.

SC

outra contagem decrescente

Miguel,

cumprindo o prometido, já estou em nova contagem decrescente



o pequeno-grande genial também ajuda



terça-feira, 28 de junho de 2005

quase, quase



a semana que vai passando (II)

o meu gabinete antigo tinha vista para a montra da MaxMara, mas como o actual não tem, decidi ir cheirar in loco os 30% de desconto. percebi que sendo mais cara apesar dos saldos que a Labrador, e sendo os ordenados das mulheres inferiores aos dos homens, é mais um factor para as desigualdades de género



excluindo a beleza, elas saem duplamente prejudicadas. é um país desigual

a semana que vai passando

hoje tive que informar o número de 'grevistas' na minha D-G. não foi para isto que os meus pais criaram um filho

A série que passa (I)


Outro post do "chamem-me o que quiserem"

SC

a semana que passou (V)

mais de 4 anos depois do primeiro jogo e depois de várias derrotas, o Benfica ganhou ao resto do mundo



a semana que passou (IV)

cremado o camarada Cunhal para não poder dar voltas no túmulo, aquele que admirava o companheiro Vasco como o Primeiro-Ministro do momento mais radioso da história de Portugal (qual Coreia popular democrática), jantava num dos restaurantes mais finos do burguês bairro de Campo d’Ourique

a semana que passou (III)



quando estava a assinar, o M dirigiu-se a mim, parecia tenso, “não se assuste, a caneta é vermelha, mas é da DGEEP, não é do Benfica”

a semana que passou (II)

o director de um jornal diário de grande circulação (o mesmo jornal que conseguiu o DVD exclusivo de um filme excepcionalmente único e que mereceu projecções em exclusivas e excepcionalmente únicas condições) glosou em editorial um antigo blog do Nuno, o mexe na ferida: a propósito, o Nuno está de volta

segunda-feira, 27 de junho de 2005

a semana que passou (I)

tanta coisa com a seca do último filme dum famoso realizador sueco, em Portugal só numa sala muito sui generis é que podia ser visto, pseudo ecran especial, som não sei quê, várias semanas exclusivas em cartaz, e depois isto: segunda-feira havia DVD num jornal de circulação diária. e as condições técnicas, únicas, que impediam o filme em diferentes cinemas?

terça-feira, 21 de junho de 2005

'protocolo' de Quioto

"Estes dados são decepcionantes e reforçam a necessidade de os Estados membros cumprirem as medidas de redução acordadas a nível europeu e a nível nacional", comentou Stravos Dimas, comissário europeu para o Ambiente. O responsável lembrou que alguns dos principais mecanismos – incluindo o mercado de emissões – ainda não estavam a funcionar em 2003.

Apesar de tudo, Dimas continua a acreditar que a UE vai cumprir as metas do Protocolo de Quioto, que para a Europa obrigam a uma redução média de oito por cento no período 2008-2012.




Filipe, quando é que os convences a desatar o nó da gravata?

este s-g não sabe do que fala

ouvi ontem o secretário-geral duma federação sindical de professores afirmar "o país recuou 31 anos".

eu, que tinha 6 anos no 25 de Abril e me lembro perfeitamente do Caetano, de 1974, do 11 de Março, do depois que passou pelo PREC, pela AD, pelo Soares-Pinto, pelo Cavaco, pelo Guterres, pela tanga e pelo menino-guerreiro, afirmo que o s-g mente. e eu tenho memória de elefante, e não é só para os números

quarta-feira, 15 de junho de 2005

Palato

Escuta, escuta: tenho ainda
uma coisa a dizer.

Não é importante, eu sei, não vai
salvar o mundo, não mudará
a vida de ninguém - mas quem
é hoje capaz de salvar o mundo
ou apenas mudar o sentido
da vida de alguém?

Escuta-me, não te demoro.
É coisa pouca, como a chuvinha
que vem vindo devagar.
São três, quatro palavras, pouco
mais. Palavras que te quero confiar,
para que não se extinga o seu lume,
o seu lume breve.

Palavras que muito amei,
que talvez ame ainda.

Elas são a casa, o sal da língua.

(Eugénio de Andrade)

SC

Luto


K. Malevitch,1913

SC

terça-feira, 14 de junho de 2005

New Orleans



"Some people reach a place in time where they've gone as far as they can. A place where wives and jobs collide with desire. That which is unknowable and those who remain out of sight.
See what it is invisible and you will see what to write. That's how Bobby used to put it. It was the invisible people he wanted to live with. The ones that we walk past everyday, the ones we sometimes become. The ones in books who live only in someone's mind's eye. He was a man who was destined to go through life and not around it. A man who was sure the shortest path to Heaven was straight through Hell. But the truth of his handicap lay only in a mind both exalted and crippled by too many stories and the path he chose to become one. Bobby Long's tragic flaw was his romance with all that he saw.

And I guess if people want to believe in some form of justice, then Bobby Long got his for a song."

SC

segunda-feira, 13 de junho de 2005

Do princípio



SC

Do fim

Tenho o nome de uma flor
quando me chamas.
Quando me tocas,
nem eu sei
se sou água, rapariga,
ou algum pomar que atravessei.

Eugénio de Andrade, in «As Mãos e os Frutos»

SC

I shall say this only once


A love song for Bobby Long

SC

quinta-feira, 9 de junho de 2005

O Futebol move milhares

Eu sei que isto hoje está um bocado futebolístico demais. Aqui me penitencio pelo facto. Esta notícia vinda de um jornal desportivo dava, no entanto, um excelente estudo de caso sociológico. Aqui vai ela para os vossos comentários:

"Futebol/Mundial’2006: Berlim espera 40 mil prostitutas
Os responsáveis de Berlim esperam que durante o Mundial’2006 cheguem à cidade cerca de 40.000 prostitutas, do país e do estrangeiro, para oferecerem os seus serviços à clientela entusiasmada pelos jogos, informou hoje o jornal “Berliner Kurier”. “Naturalmente, o Mundial oferece a oportunidade encher as caixas. Os negócios vão correr bem”, declarou Katharina Cetin, de uma associação de apoio às prostitutas. Certas cidades começaram já a preparar-se para o evento, que vai decorrer de 9 de Junho a 9 de Julho de 2006. Colónia e Dortmund terão cabanas que estarão à disposição das prostitutas e dos seus clientes e na primeira cidade existirão também as “boxes da prostituição” equipadas com casa-de-banho e duches."
in O Jogo

Miguel Alves

Porque é que ninguém fala no 6 dedos?

Então só o Barbosa é que é um símbolo? E só o Barbosa é que é mal tratado na saída?
Então e este?

Hoje parece que só o Barbosa é que foi despedido. Mais um óptimo serviço do imparcial jornalismo nacional...
Miguel Alves.

Miguel G, não fiques triste

Pedro Barbosa não renova

Pedro Barbosa não renovou contrato com o Sporting, mas não tomou ainda a decisão se vai terminar a carreira. O jogador assumiu que já tinha decidido abandonar o Clube.


terça-feira, 7 de junho de 2005

segunda-feira, 6 de junho de 2005

igualdade de género

será possível que numa farmácia central em Lisboa, em 20 clientes, 19 sejam do género feminino?

quarta-feira, 1 de junho de 2005

Faixa 7


Gomez.Em audição.

SC

casa do corpo


Centro Cultural e de Congressos, Angra do Heroísmo, Oceano Atlântico.

SC