quarta-feira, 29 de dezembro de 2004

amantes



Firenze, Agosto de 2000, uma exposição de fotografia, pintura, guarda-roupa, do Zefirelli sobre a Callas, com a música sempre presente

nunca mais chega o filme com a Fanny Ardant e o Jeremy Irons




Cinemateca Portuguesa, hoje




segunda-feira, 27 de dezembro de 2004

Genova (actualização)



Genova capital da cultura lembra Lisboa em 1994 e o Porto em 2001, zonas históricas degradadas em obras, um rio a chamar por nós, iniciativas deslumbrantes para quem perdeu a magia do império e a recupera durante uns meses. até final de Janeiro ainda será possível ver a exposição Arti&Architettura 1900-2004, originais de António Sant’Elia (como é possível que a sua obra tenha sido fruto de menos de 30 anos de vida, apenas até 1916?), Ivan Leonidov e toda a beleza do marxismo-leninismo-soviético, e Joaquín Torres Garcia (há 75 anos percursor da obra de José Soromenho, sem este o saber)



mas durante todo o ano vale a pena deambular pelo cemitério de Staglieno (ainda mais bonito que o de Šibenik)

quinta-feira, 23 de dezembro de 2004

desaires?

um desaire do Benfica é uma espinha encravada na garganta do Bagão!

zé (benfiquista e cidadão)

quarta-feira, 22 de dezembro de 2004

femme fatal



é pena



20 de Fevereiro de 2005

há um novo cartaz da Câmara Municipal de Lisboa que diz algo como 'tira as pantufas, sai do sofá e anda de patins'. é para aplicar daqui a 2 meses, pais, tias, avós, velhotas do bairro, para os por a andar de patins

terça-feira, 21 de dezembro de 2004

o sistema

se a A.D.Oliveirense for hoje eliminada da Taça de Portugal pelo Sport Lisboa e Benfica, só haverá um nome a acusar: Santana e Bagão (esta é parecida com aquele cujo coração só tinha uma cor: azul e branca)

arte periférica (II)



arte periférica



mercearia de bairro, Ajuda, Lisboa

há muito tempo que não o via, está mais magro (velhota)

tenho perdido peso nestas últimas semanas, ando a trabalhar mais

mas é para correr com eles?

sim, sim, somos todos precisos

a ver se os pomos a andar de patins duma vez por todas

segunda-feira, 20 de dezembro de 2004

outro Natal é preciso

(ou já te converteste às luzes natalícias?)

… As lágrimas corriam-lhe enquanto se ouvia A Internacional.

Mas Ruža era crente. À medida que se aproximava o Natal, ela fazia sempre algo, ora limpava o pó, ora trocava os cortinados, ora ia ao cabeleireiro, ora vestia melhor as crianças, mas ele limitava-se a olhar, carrancudo. Sabia o que se estava a passar. Dois ou três dias antes do Natal chamava-a junto de si e dava-lhe um sermão: «Na minha casa o Natal não se festejará. Eu decidi-me uma vez por todas e não quero fazer como alguns. Lá fora é comunista, mas em casa parece a catedral de Zagrebe. Mas tu, perfeitamente, se queres o Natal, leva as crianças para casa da tua mãe ou para casa da minha. Festeja quanto quiseres, mas não me metas nisso.» E Ruža pegava nas crianças e um ano festejava em casa da mãe, outro na da sogra. A certa altura, aparecia, como passando por acaso, também Ivo T., vestido como num dia normal, sentava-se à mesa, como que por acaso bebia e petiscava, felicitava aqueles que festejavam e sublinhava: «A liberdade religiosa é garantida no socialismo.»


a ponte de Norman Foster



fosse El Puerto de Santa Maria perto de Millau como é de Cadiz

doce gerúndio



obrigado Luíza, Sheila, Horacio, obrigado Barcelona, obrigado Lula

Foi bonita a festa, pá
Fiquei contente
E inda guardo, renitente
Um velho cravo para mim

Já murcharam tua festa, pá
Mas certamente
Esqueceram uma semente
Nalgum canto do jardim

Sei que há léguas a nos separar
Tanto mar, tanto mar
Sei também quanto é preciso, pá
Navegar, navegar

Canta a primavera, pá
Cá estou carente
Manda novamente
Algum cheirinho de alecrim


chegará a primavera um mês mais cedo?


Eros



os desenhos, a música de Caetano Veloso sobre Michelangelo Antonioni, a água e o mar, as sombras de Steven Soderbergh em Robert Downey Jr, os vestidos e a câmara ao retardador de Wong Kar Wai, não chegam para tornar Eros um filme sensual

existe erotismo e sensualidade sim, mas no Imortal do Enki Bilal (mais ainda na trilogia Nikopol em livro que no filme, especialmente em A Mulher Armadilha), n’A Vida é um Milagre de Emir Kusturica, ou numa das últimas crónicas da Faíza Hayat (Sagoate)



terça-feira, 14 de dezembro de 2004

As noites de Sarajevo (II)



… vários Outonos depois dos dias de Sarajevo, vejo que há algo inapreensível que une a guerra e o amor, pois a promessa de uma vida eterna caminha sempre ao lado da horrenda presença da morte. Há qualquer coisa que os iguala, possivelmente porque o amor e a guerra deslizam sobre um fio invisível que pode conduzir à queda. Na guerra não há vitórias, apenas umas quantas derrotas para repartir; não há heróis, apenas vítimas, incluindo os que sobrevivem e também aqueles que escrevem e falam sobre elas. E o amor? Se esperamos muito dele, podemos ver que, algum tempo depois, tudo o que resta entre os nossos dedos é apenas um pedaço do nada. Alma não está, a sua voz já não ecoa nos meus ouvidos, é como se se tivesse esfumado da vida ou nunca tivesse existido. Talvez agora escreva apenas num intento vão de recuperar o que perdi, de ter o seu fantasma junto a mim e guardá-lo à sombra da minha vida.

Air Nostrum

conheci-a num voo entre o Porto e Barcelona, fiquei agradavelmente surpreendido e deliciado. voltei a encontrá-la ao regressar de Torino: as hospedeiras mais bonitas e simpáticas, o mais saboroso serviço de bordo

aviones pequeños, grandes detalles…

Genova



Genova capital da cultura lembra Lisboa em 1994 e o Porto em 2001, zonas históricas degradadas em obras, um rio a chamar por nós, iniciativas deslumbrantes para quem perdeu a magia do império e a recupera durante uns meses. até final de Janeiro ainda será possível ver a exposição Arti&Architettura 1900-2004, originais de António Sant’Elia (como é possível que a sua obra tenha sido fruto de menos de 30 anos de vida, apenas até 1916?), Ivan Leonidov e toda a beleza do marxismo-leninismo-soviético, e Joaquín Torres Garcia (há 75 anos percursor da obra de José Soromenho, sem este o saber)



mas durante todo o ano vale a pena deambular pelo cemitério de Staglieno (ainda mais bonito que o de Šibenik)

terça-feira, 7 de dezembro de 2004

Todos somos ibéricos, com uma língua diferente

Mário Soares, em entrevista ao El Mundo, 5 de Diciembre de 2004

Torino (IV)



recorda o meu pai, que guarda o artigo de jornal da época (Maio de 1949), a grandiosa equipa do Torino, falecida nas colinas da cidade, ao regressar da festa de despedida do capitão do Benfica vencedor da Taça Latina. o Torino era campeão pela 5ª vez consecutiva e praticava um futebol criativo e ofensivo, que viria a desaparecer e a transformar o Calcio no catenaccio depois desse desastre-catástrofe.

no sábado o Torino ocupava o 3º lugar da 2ª divisão do Cálcio, depois de ter empatado na véspera a zero, num jogo pior que muitos solteiros vs casados, 98 anos depois da sua fundação.

comprei a camisola do Torino, com a cor ‘granata’ sangue de toro, espero usá-la no próximo domingo, autorize o médico na 5ª




As noites de Sarajevo

Agora, ao escrever sobre os dias de Sarajevo, consigo ver o seu rosto e escutar a sua voz com o mesmo timbre sonoro e ritmado. Alma permanece na minha memória como uma sombra viva num cenário de tiros e de morte. Questiono-me se está escrito no destino humano que a destruição e o amor podem conviver, como duas forças que se repelem e que, ao mesmo tempo, se unem como uma energia necessária para empurrar as nossas vidas.

sexta-feira, 3 de dezembro de 2004

Torino (III)



hoje, às 22h30, Porta Nuova


Torino (II)

Al Bue Rosso: Dolcetto di Dogliani 14% vol., bresaola con rucola, bue brosato al borolo, crema di marroni

Torino

Tuttosport, Giovedi, 2 Dicembre 2004, pag. 6, Coppa UEFA: Finale 18 Maggio a Lisbona, Stadio da Luz

terça-feira, 30 de novembro de 2004

wake up

(para a Mariana S e o Miguel G)


You have a star that shines on my life and I have a glow that sparkles with your light. How could you leave this without saying goodbye, because you have a star that shines on my life. For once in a while you could care about me. It’s a chase for simplicity.

sexta-feira, 26 de novembro de 2004

Kieslowski, por Danis Tanovic

Après la tournée mondiale en fanfare de son No Man’s land, plus rien n’arrête Danis Tanovic. Premier coup d’éclat: le voilà qui succède à Tom Tykwer (Heaven) pour adapter le second volet de la trilogie écrite par feu Kieslowski. L’enfer en question sera celui vécu par une famille lorsque le pater revient après un séjour en taule. La distribution est par contre paradisiaque: Carole Bouquet, Emmanuelle Béart, Marie Gillain, Karin Viard, Miki Manojlovic entre autres. Le cinéaste passera ensuite du noir familial à l’ombre des espions, un univers déjà parcouru pour Monica Bellucci, héroïne de Ship High in Transit. (n. 84)


The Gift

(Sónia Tavares)

As pessoas que criaram anticorpos em relação aos Gift são as mesmas que têm em casa discos dos Massive Attack, dos Radiohead ou da Björk (in Y, Público)

Barghouthi, um novo Mandela?




sexta-feira, 19 de novembro de 2004

Bairro Alto, Calhariz

ontem, depois das 8 da noite. ela estava sentada na paragem do 28, velhota, coxa, de bengala, cheirando a peixe. quando fecharam a frutaria do outro lado da rua deixaram um saco com fruta em cima do caixote do lixo. um jovem que passava olhou para o seco, pegou nele, a velhota levanta-se, acelera o passo para atravessar a rua, ‘o saco é para mim’, mas o rapaz pede para o partilhar, e assim o fazem, vai o jovem para o Camões com um grande sorriso.

a velhota fica, pousa o saco da fruta, e começa a respigar o contentor do lixo

(5 minutos antes partilhava com a Sabine do WIP os novos bares e clubes de jazz de Viena onde gostamos de gastar dinheiro)

quarta-feira, 17 de novembro de 2004

Pai Natal

No Público de Hoje:

"Baixa de Lisboa Iluminou-se para o Natal
Quarta-feira, 17 de Novembro de 2004

Passavam poucos minutos das 18h quando o presidente da Câmara de Lisboa, Carmona Rodrigues, ligou um interruptor de uma caixa de electricidade e colocou ontem toda a Baixa a luzir. Os presentes na inauguração das iluminações de Natal da capital, entre eles rapazes e raparigas vestidos de amarelo, verde, azul e vermelho e segurando balões, aplaudiram e gritaram. Nas fachadas da Praça do Rossio acederam-se muitas luzinhas faiscantes. A estátua de D. Pedro IV passou a ter sete arcos cobertos de luzinhas brancas que culminam numa estrela luminosa, na parte de cima. A Rua Augusta passou a ter arcos grandes de luzinhas azuis e a Rua do Ouro exibia uma decoração mais conservadora, com os tradicionais balões e estrelas de luz amarela. A Rua do Carmo, essa, passou a ter uns arcos pequenos e com estrelas azuis. Os arcos estreitos de alumínio assentes na calçada prometem muitos tropeções. N.F."

Dá gosto ver como se gasta bem (e sumptuosamente)o dinheiro público. Até parece Las Vegas.


SC

sábado, 6 de novembro de 2004

Homo Stupidus

Este ano, so uma coisa podia ser pior que a vitoria do 'gang' do Mourinho na Champions. Ela aconteceu.

h

quinta-feira, 4 de novembro de 2004

Patrícia Portela

quem não teve a oportunidade de (re)ver Wasterband, pode ver hoje Flatland (Estreia Nacional, 22h, FORUM LISBOA)



“Flatland – Parte I (Para Cima e não para Norte)” é o primeiro de 4 episódios que contam a trágica vida de um Homem Plano que um dia descobre que lhe falta uma terceira dimensão.
Nesta primeira parte podemos seguir O Homem Plano na sua reflexão pelos mundos da bidimensionalidade e da perspectiva, até descobrir, um dia, que a sua existência no mundo 3D é apenas possível se existirem espectadores a olhar para ele.
Contente com a descoberta mas descontente com a dependência, o Homem Plano inicia uma estratégia para conquistar a sua imortalidade tridimensional.

quarta-feira, 3 de novembro de 2004

XVI governo – 100 dias a asneirar

só hoje, por razões profissionais, fui ler o relatório dos 100 dias deste governo. para lá das mais de duas dezenas de “principais reuniões internacionais do Primeiro-Ministro” (entre elas com o “Presidente indigitado da Comissão Europeia, Dr. Durão Barroso”), reparei particularmente nas medidas do Ministro de Estado, da Defesa Nacional e dos Assuntos do Mar: inaugurou o cais fluvial da Ermida, em Baião, e o porto de pesca da Gala, na Figueira da Foz, mas destaca a “Proibição da entrada e atracação do navio «Borndiep», chamado Barco do Aborto, no porto da Figueira da Foz.”

Teresa, tenho saudades dos teus louvores



O povo norte-americano "é um povo sem medo … É um povo que perante a ameaça se une e reage sem medo", a reeleição de Bush corresponde a uma "vitória popular", "(o resultado) é a confirmação que se trata de uma eleição americana e do povo americano, que é soberano", contrastando com a "opinião pública e publicada na Europa em defesa de John Kerry"

sexta-feira, 29 de outubro de 2004

Querem ver que o gajo está a mudar-se...

"(...) O verde afasta o azul que ainda há pouco reinava sobre este cenário (...)"
in Sul, Miguel Sousa Tavares
Pode ser que assim eu passe a comprar os teus livros, ó Miguel!
Miguelinho (borrego)

segunda-feira, 11 de outubro de 2004

Jazzfellows

MANIFESTO (com 4-5 anos?)

Nós não temos um nome, temos uma identidade. Construímos AMIZADES.

Gostamos de coisas bonitas e do que as cidades e o campo têm de bom para ensinar. Flores, chuva, mar, música, livros, álcool, petiscos, abraços, pessoas e conversas longas pela noite fora, cheias de silêncios e de palavras. Pegamos na vontade de estarmos juntos e transformamo-la no acto de o fazermos. Queremos construir uma casa cheias de portas e janelas, sem senhas de entrada onde toda a gente possa caber e as palavras DIVERSIDADE e LIBERDADE façam sempre parte dos livros do dia.

Recusamos os rótulos e os ismos e passamos ao lado dos preconceitos, mas estamos longe da perfeição.

O nosso projecto é CRIATIVO e POLÍTICO porque interventivo em pequenos núcleos, mas não é politicamente correctoi.

Actuamos à noite e durante o dia, indiscriminadamente, e temos poisos específicos, embora muitos de nós não tenham um amor especial aos pombos ou às estátuas. Nos dias de muito calor, movemo-nos pela sombra e normalmente optamos pelo lado esquerdo da rua, mas a ideologia que nos une é a das emoções e das boas sensações da existência. Somos mundanos sem sermos superficiais e gostamos todos de dançar, de massagens nas costas e de festinhas no cabelo. Alguns de nós gostam de futebol. Outros de desportos radicais.

Exigimos o fim do embargo a Cuba, o reconhecimento do estado Palestiniano e o direito do Povo Maubere a ser livre e independente. Somos pelo fim do terrorismo económico. Sofremos com a pobreza e com a fome, lutamos contra a exclusão social e todas as formas de desigualdade e discriminação, mas nunca fomos nem Mr nem Miss Mundo.

Não gostamos de chavões mas substituímos sempre "globalização" por "aldeia global". Somos fraternos ao vivo e pela net. Somos todos diferentes e não pretendemos ser iguais.

Quando nos virem, talvez fiquem com a sensação que nos conhecem de qualquer lado.

Nós não temos um nome, mas temos uma identidade.

SC e zé

quarta-feira, 29 de setembro de 2004

NOVOS CONTACTOS

O Mundo é de todos!

VERBA VOLANT, SCRIPTA MANENT

publicus.sociale@europe.com / publicus.sociale@aljazeera.com



http://publicus.blog-city.com/

quarta-feira, 15 de setembro de 2004

O HORROR

Quero acreditar que é mentira. Tenho de acreditar que é mentira! É que li que A Síria testou em Junho armas químicas sobre a população de Darfur e recuso-me a acreditar.
Chega!
Afinal foi só um jornal que falou nisto. Foi inventado de certeza. Mas só pensar-se nisso já arrepia.

M.L.

Ser mãe é:

Chamaram-me a atenção para um post chamado naturalmente
Ser mãe é do Blog Controversa Maresia, e não posso deixar repetir aqui esse conselho que me deram. Vão lá ler!
Porque, para além da ironia, sente-se que existe também um profundo amor no que está escrito. É certo, ser Mãe é aquilo e... o que está nas entrelinhas.
M.L.

Dança de moscas gestores

Acabei de ouvir na rádio.
Os presidentes do Conselho de Administração e da Comissão Executiva da Caixa Geral de Depósitos (CGD), António de Sousa e Mira Amaral, foram afastados dos cargos pelo ministro das Finanças
Vamos ver qual vai ser a grande alteração.
O programa segue dentro de momentos. O programa neo-liberal, entenda-se.
M.L.

Pois é!


Também dá que pensar...
Não será que andamos com ideias-feitas?
M.L.

Carreiras de professores

Esta é que é uma surpresa! Pelo menos para quem não pertence a este grupo profissional, mão se imagina que na carreira de professor exista um leque tão aberto de remunerações.
Mas diz-nos o relatório «Um olhar sobre a educação. Indicadores de 2004» que os «professores em topo de carreira em Portugal auferem vencimentos mais elevados que na média dos restantes países da OCDE [.....]e em contrapartida, no início de carreira um professor português ganha 15.873 euros, face a 18.702 ganhos pelos professores na média dos países da OCDE» Ups!?
A explicação é que até ao 7º escalão as subidas são pequenas e só ao fim de 26 anos se começa a ganhar melhor, diz o Sindicato. Pois, mas porquê? Não serão licenciados da função pública? Assim como me parece incrível esta dança das cadeiras anual, por causa das colocações, também estranho a diferença de vencimentos. Ou há moralidade...
PS - Se qualquer modo, esta comparação é um pouco falaciosa, porque tudo isto se passa dentro da nossa pequenez de vencimentos. Decerto que serão "mais elevados" em relação aos demais colegas, mas não dá para comparar com salários da "outra europa".
M.L.

Assim se vê a força da esquerda

É que a mão esquerda foi desprezada durante séculos. Ainda não há muitos anos, chegava-se a atar a mão esquerda ao corpo da criança para a obrigar a utilizar a direita. Eu sei bem isso, que sou filha de dois canhotos contrariados... Ora afinal: Poderão existir, em todo o mundo, mais pessoas canhotas do que inicialmente se julgava . Pois é. Os estudos feitos só avaliavam quem usava a mão esquerda para escrever. E os outros? Os canhotos “não assumidos”? Reparem quantas pessoas há que apesar de escreverem com a direita (pudera...) utilizam a outra para a maioria das actividades ? Muito interessante. Os esquerdinos saem do armário.
M.L.

Adeus às Armas

Desta vez é que é. Sempre parece que o Serviço Militar Obrigatório termina no Domingo
É que já atingiram os tais 12 mil suficientes para se fazer um exército. Portanto, se eu entendo bem, agora passa a ser uma profissão como outra qualquer. Sei que este tema é polémico. Há quem ache que a guerra é séria demais para ficar nas mãos de militares. E que a profissionalização é uma faca de dois gumes. Eu não me pronuncio.

M.L.

Desde que haja alunos...

Vai ser cá uma alegria. Já se imaginou?
As aulas abrem, mas durante quatro dias é só para reinar. Professor fóra dia santo na escola!
É que a Divulgação da lista de colocação de professores foi adiada para segunda-feira . Mas nada de alegrias excessivas, ó rapaziada, que «malgrado este atraso, num número significativo de escolas o ano lectivo iniciar-se-á conforme previsto, a 16 de Setembro ». Certo. É uma questão de saber onde começa a ser um número significativo. Parece que o sindicato dos professores prevê que 90 por cento das escolas da região centro não comecem aulas a 16 de Setembro É significativo. Já são 10%!!!! É qualquer coisa. Já imaginaram o que seria essa percentagem no nosso ordenado...
Senhora Ministra, tenha dó. Porque não assumir que se meteu num grande buraco? Tem acontecido tanta vez.


M.L.

terça-feira, 14 de setembro de 2004

Separação de águas

A lógica é uma coisa engraçada. Uma espécie de ginástica do pensamento. E a propósito da dificuldade em definir limites para certas categorias dei por mim a pensar que só há um modo de dividir seja o que fôr em 2. Vamos ver se pensam como eu: Uma pessoa ou está a dormir ou está acordada. Está suja ou está limpa. Está a mentir ou a dizer a verdade. Uma coisa é nova ou usada. É pesada ou leve. É simples ou complicada. Errado, não é verdade? Com este tipo de exemplo, entra logo pelos olhos dentro que há um número infinito de categorias entre os dois pontos. É que separar águas é quase impossível!
E aqui vem o truque da lógica. É acrescentar a palavrinha NÃO. Já está. Divisão perfeita: o novo e o não-novo, o simples e o não-simples, a mentira e a não-mentira, o pesado e o não-pesado.
Mas agora vem a pirueta do pensamento que a lógica não abrange: falta a definição exacta do primeiro conceito. O que quer dizer “novo” ? O que é exactamente “sujo”? Lá vamos outra vez na montanha russa, sem uma indiscutível definição todo o raciocínio se desmorona. De facto a linguagem e a comunicação é bem difícil!
M.L.

Peões

Na questão do trânsito, peões somos todos. É elementar. Todo o indivíduo que utiliza um transporte, tem de entrar e sair dele. Sou capaz de imaginar os super-vips, que têm carro com motorista e se limitam a atravessar o passeio para entrar no carro, e depois a sair e atravessar outro passeio, ou entrada de vivenda. Contudo quero acreditar que mesmo esses, de vez em quando precisam de andar uns metros a pé... Bom, portanto, está assente que peões somos todos. Então, qual a motivação que leva as pessoas a não respeitar o código dos peões? Não estou a acusar, eu também pertenço ao grupo. Está uma passadeira a uns metros de distância, mas se eu quero ir para a porta mesmo em frente do outro lado da rua, para que é que vou até lá? Como reconheci, eu mesma farto-me de fazer isso. Mas já me confunde quando essa acção se torna uma gincana arriscadíssima, o que muitas vezes acontece. O percurso que agora faço para ir trabalhar passa em frente da estação de barcos da Praça do Comércio. Quando chega um barco, vê-se grupos de pessoas, a corta-mato, por entre os carros e autocarros para chegarem à sua paragem. A passagem está um pouco distante, só que o risco é mesmo risco de vida! Mas logo a seguir, na zona a seguir ao Cais do Sodré, acho que a razão está toda com os peões. A distância entre duas passadeiras é inacreditável! Uma pessoa ou atravessa no Cais do Sodré ou vai atravessar em Santos! Haja bom-senso, por favor.
M.L.

«Eu não sou assim»

Vou entrar numa de auto-crítica. Ou não sei bem se a palavra crítica é a correcta, antes uma auto-análise.
Eu oiço, vejo, encontro, muitas pessoas, que ao admitiram alguns comportamentos que de alguma forma as prejudicaram, ou prejudicaram outros, usam a expressão: «Eu sou assim!» que tanto pode ser «sou assim e, paciência...» como «sou assim, e quem não gostar que se afaste». Mas o sentido é sempre de que não há nada a fazer. Nasceram assim, e a mudança é impossível - também não respiram debaixo de água, nem batem asas no céu. E creio que essa atitude é irritante para os outros mas lhes dá um certo consolo.
E quase os invejo. Eu tenho passado a vida a fazer burradas, e a pensar depois .”Como foi possível?!” Mas foi. Como se afinal “eu fosse assim”...
Tal como não pedir comprovativos de cursos que frequento com a ideia romântica de que o importante é ficar a saber. E depois como provo que sei? De não guardar documentos que imagino ninguém precisar de ver, e enganar-me. De só combinar preços de trabalhos no final de estarem feitos, com o risco de nunca vir a receber nada por isso. É que tem sido mesmo umas a seguir às outras e de cada vez o arrependimento tem sido maior. Como se de facto existisse um padrão de comportamento claramente totó. Mas custa-me admitir : Eu sou assim: totó!
M.L.

Obrigado, ...

... João.

Assobios

O Dr. Santana foi ouvir a Madonna. É lá com ele. Eu não iria, mas isso de gostos, cada um tem os seus. E lá que foi um acontecimento mediático, dos que ele gosta, ninguém pode negar. Agora... Surpresa!!! . Imagine-se que os espectadores o receberam ao assobio. Já não há respeito. Mas enfim, foi um baptismo: « O primeiro-ministro, Santana Lopes, recebeu ontem à noite a sua primeira grande vaia pública». Parabéns, Dr, Santana, afinal a sua popularidade é grande. Mesmo entre fãs da Madona, o que dá para imaginar que o leque de desapoio é bem aberto.

PS - Se calhar houve engano. Eram assobios de apreço à cantora. Foi, mas foi, uma confusão.
M.L.


Mais pobres e mais agressivos

Não é de estranhar. Uma coisa, normalmente, arrasta a outra. Dizia-se que “casa onde não há pão...”. Mas apesar de tudo, das censuras que faço, gosto muito da minha terra. E dói-me vê-la apontada como o segundo ... a contar do fim ou seja Portugal apenas à frente da Grécia entre os antigos Quinze no que toca à pobreza . Tanto quanto entendo, são dados fiáveis, do gabinete estatístico da União Europeia, o Eurostat. E ficamos também a saber que a violência subiu de um modo notável. Onde estão os “brandos costumes”? Devem ter ido atrás do pão.
M.L.


Justiça e bons exemplos

Não sou daquelas que acha que cada profissional tem de ser infalível quando “pratica a sua profissão”. Oiço muitas vezes comentários do tipo “olha, é psicólogo e está deprimido” ou “não deve ser bom pintor que a casa dele está a precisar de ser pintada”. Sei muito bem que uma coisa é a vida profissional e a outra particular, doméstica. E ainda mais, também sei que não são dois ou três casos, que podem servir para acusar um grupo profissional, o que acontece demasiadas vezes.
Pondo isto como ponto prévio, chamou-me a atenção que seja o terceiro processo instaurado a um juiz, na sequência de declarações no âmbito do processo Casa Pia . Em que ficamos? Há segredo de justiça, pelo menos formalmente, ou os próprios juizes saltam por cima desse pormenor? Por maior que seja a pressão da Comunicação Social, este é mesmo um campo onde devem dar o exemplo. Assim não vale.
M.L.

País real

Enquanto em Lisboa tropeçamos em pedintes constantemente ( basta sair de casa, parar em cruzamentos, andar de metro, por vezes apenas entrar num café ) vamos tendo a ideia falsa de que o “mal” está concentrado por aqui e as coisas no resto do país são menos gritantes. Se calhar o caso é esse: “menos gritantes”. A pobreza é mais envergonhada. Mas afinal verifica-se que
Em Guimarães, há 700 famílias inscritas na lista de pedidos de habitação social e perto de duas centenas a solicitar apoio alimentar
.
«É dramático» diz o Presidente da Câmara. Não há dúvidas. Porque o que se lê é que é uma pobreza escondida, tímida, diferente da que se vê na capital porque apesar da miséria custa-lhes recorrer a uma ajuda. Ainda doi mais.
Existe uma instituição chamada Fraterna que conjuga todas as ONGs de apoio para além da ajuda oficial. E afirma que «a lista tem vindo a aumentar e o perfil das pessoas que solicitam os apoios é cada vez mais diversificado». É este o nosso país. A nossa política social.
M.L.

Bowling for Columbine

Ora bem. Em 1994 Bill Clinton assinou uma proibição de fabrico e venda de armas semi-automáticas. Essa medida seguiu-se a uma série de tiroteios com armas semi-automáticas no estado da Califórnia, de que resultaram 34 mortos
Passaram-se 10 anos e a lei caducou. Óptimo. Podem voltar a matar-se à vontade.
Desculpem-me. Este tema é tão grave que não há humor possível. Mas custa ver uma cegueira tão grande. Como é possível continuar a vender-se armas de morte desta maneira. Será que aquela gente não aprende?
M.L.

Devemos ter ouvido discursos diferentes

Ontem à noite, estive a ouvir o Senhor Ministro das Finanças e fiquei na mesma. Não me disse nada que não soubesse. Minto. Disse-me uns números que eu não sabia mas que também não me adiantam muito. Sou tão saloia, que o dinheiro para além de um certo valor, deixa de ter sentido, é uma abstracção. Para mim, essas coisas das macro-economias são chinês. Falar em dois mil milhões de euros, é uma abstracção.
Portanto o que me disse foi mesmo muito vago. Entendi que ele não quer mas vai continuar a precisar de receitas extraordinárias. Bem. Já calculava. O resto para mim foram coisas completamente vagas.
Mas... o meu aparelho de TV não deve andar lá muito bom. Possivelmente o do Sr. Luis Delgado é de uma marca melhor, porque ele conseguiu ouvir Bagão Felix claro, objectivo, com metas, e sem promessas demagógicas . Que bom aparelho. Quero ver se arranjo um desses para mim.
M.L.

segunda-feira, 13 de setembro de 2004

O Ovo de Colombo

Pronto. Tudo o que ia escrever, está já escrito e melhor do que eu faria, pelo Luís Rainha . Mas como já vinha com esta engatilhada, não vou perder o post...
Como se trata de saúde é mais de chorar, mas a verdade é que dá vontade de rir. Uma ideia genial. Lembram-se de uma palavra de ordem que era "os-ricos-que-paguem-a-crise"? Era natural, quem tinha dinheiro, pagava. Agora temos que "os-doentes-que-paguem-o-tratamento". E porque não? Não adoecessem, ora então!? Fiquei mesmo interessada, um governo tipo Robin dos Bosques, que tira aos que têm mais, para subsidiar os pobrezinhos. São medidas de longo alcance e, em breve, os países nórdicos que tinham uma política social razoável, virão em fila a Portugal perguntar como se faz. Há para aí uns ricaços, que quando se sentam mal dispostos decidem ir entupir as urgências dos hospitais. É mal. Não se faz. E ficam 8 horas ali até serem atendidos enquanto o seu motorista lhes vai trazendo um termos com café e uns pastelinhos de nata. O Ambrósio trás "algo", à senhora do chapéu amarelo, enquanto ela espera por ser atendida. Agora isso vai acabar! A patroa do Ambrósio vai pagar muito mais do que o próprio Ambrósio, a não ser que... Espera, a não ser que, ele declare aquilo que ganha ( não tem outro remédio) e ela prove ter o salário mínimo nacional. E porque não?
O chocante nesta história é o reconhecimento público da fuga aos impostos e uma completa aceitação dessa situação. Com a maior franqueza, pagaria sem resmungar a minha parte de impostos se sentisse que era uma situação partilhada. Certo, estamos todos no mesmo barco, faz sentido remarmos mesmo contra a maré. Mas TODOS. Assim não.
M.L.

Mérito


A palavra é bonita. MÉRITO. É esdrúxula, e o E muito aberto dá-lhe uma certa alegria. Também é um pouco imponente
- M É R I T O ! Assim a modos que como uma condecoração, "pelo seu mérito, ofereço-lhe esta medalha". Tá, tá, tá, tá !!! E, pelo que se ouviu agora, quem trabalha para a função pública vai ser classificado segundo o seu mérito, o que só lhes fica bem. Claro que se põe o problema de quem avalia o mérito de quem. Mas isso fica para uma segunda investigação. Por hoje o que me fez pensar foi a informação de que as pessoas passariam a ser pagas segundo o respectivo "mérito" ou por outras palavras, pelo seu desempenho. Portanto, o que me parece até muito bem, colegas de trabalho com desempenhos diferentes passarão a receber ordenados diferentes. E agora vem a tal perguntinha antipática: Essa avaliação chega a todos os cargos? Vamos ter ministros a ganhar menos do que outros? Estou ansiosa por ver. Por exemplo, a Ministra da Educação...
M.L.

Regresso ou ...férias?


Há cerca de 4 meses e meio, escrevi aqui "Adeus, até ao meu regresso". Estava de abalada para outro blog onde
colaborei durante todo este tempo. Lá diverti-me, emocionei-me, vibrei, conheci muita gente (virtualmente) e fiquei a simpatizar fortemente com alguns outros bloggers. Uma experiência muito enriquecedora. Sinto-me sinceramente grata por ma terem proporcionado e a poder ter vivido. São estas coisas que dão colorido à vida para não ser de um cinzentismo bem triste.
É claro que escrever no Cão de Guarda é um acto de cuco - estou a esconder uns ovos num ninho que não fiz. Mas a verdade é que esta porta aberta é uma tentação. Fica tudo muito mais fácil, o trabalho da criação do blog está feito, e este senhorio não podia ser mais simpático.
Se hoje aqui volto é porque estou numa pausa de meditação. Um blog colectivo como aquele onde estive levanta por vezes emoções difíceis de gerir. Precisamos de pausa. Até aí tudo bem, mas o complicado é a tal blogodependência, como já lá reconheci. Habituei-me de tal forma a escrever diariamente que, se me falta a droga, entro a ressacar. Difícil, não é? Valha-me o Cão de Guarda !
De modo que, enquanto o dono do Cão deixar, vou ficando por aqui. Se quem por aqui passar for atirando um ossinho ( e, como pedir não custa, com alguma carne...) ficava muito agradecida.
M.L.

quarta-feira, 8 de setembro de 2004

do Bósforo à Capadócia

Gurme, deģişik lezzetleri tatmaktan zevk almakla kalmayıp, sırtını yasladıģı kültürden de haberdar olanlara denir. Bir meslek olarak görmemek lazım.


segunda-feira, 23 de agosto de 2004

Chavela Vargas

Que no somos iguales, dice la gente
Que tu vida y mi vida se van a perder,
Que yo soy muy canalla y que tú eres decente,
Que dos seres distintos no se pueden querer

Pero yo ya te quise y no te olvido
Y morir en tus brazos es mi ilusión
Di con todas tus fuerzas
Lo que soy en tu vida
Di también que me quieres
Y que te quiero yo

Y vámonos, donde nadie nos juzgue
Donde nadie nos diga que hacemos mal
Ay, vámonos, alejados del mundo
Donde no haya justicia
Ni leyes, ni nada, nomás nuestro amor

Que no somos iguales
Qué nos importa
Nuestra historia de amores
Tendrá que seguir
Pero alguien me dijo
Que la vida es muy corta
Y esta vez para siempre
Yo he venido por ti

Pero quiero que sepas
Que no te olvido
Que si vienes conmigo
Es por amor
Yo no entiendo esas cosas
De las clases sociales
Sólo sé que me quieres
Y que te quiero yo

Vámonos, donde nadie nos juzgue
Donde nadie nos diga que hacemos mal
Ay, vámonos, alejados del mundo
Donde no haya justicia,
Ni leyes, ni nada nomás nuestro amor
Que no somos iguales
Qué nos importa


nomes

que têm em comum a Vanessa Solange, a Cátia Gisela, a Olga Carina, a Severina Daniela, a Cátia Cristina, o Frederico Eugénio, o Manuel Filipe?


sexta-feira, 20 de agosto de 2004

Debates socialistas

(Vital Moreira, ontem, no Causa Nossa)

É de louvar que os socialistas tenham decidido travar perante a opinião pública os debates sobre a eleição do próximo líder do Partido, na sequência da súbita saída de Ferro Rodrigues, após o desenlace da crise política que terminou na nomeação do actual Governo. Mas, perante várias tomadas de posição verbalmente pouco contidas dos candidatos e dos seus apoiantes mais excitados, não será descabido lembrar-lhes que depois das eleições e da vitória de um deles todos continuarão membros do mesmo partido e terão de cooperar na realização dos seus objectivos. Por isso, seria aconselhável alguma moderação nas palavras e nas atitudes. O crédito público do partido também passa por aí.


a Europa Social

o maior alargamento da história da União Europeia, ocorrido a 1 de Maio, será/ia porventura o seu maior desafio e a sua mais ansiada oportunidade. a perspectiva duma Europa do Atlântico ao Bósforo, e do que revelará em termos económicos e sociais, procurando dar resposta aos desafios transversais que a Cimeira de Lisboa agendou para esta década, no sentido de tornar a União Europeia a mais dinâmica e competitiva economia, criando emprego e garantindo um desenvolvimento social e ambiental sustentáveis, pareciam desafios ambiciosos e fascinantes.

mas com as eleições europeias de Junho chegou um novo presidente da comissão, que “considera difícil que a União Europeia a 25 consiga alcançar o objectivo de se tornar na economia mais competitiva do mundo em 2010. Por isso, vai propor aos Estados-membros a alteração da data.” (TSF). da data? mais importante será o relançamento das políticas sociais, designadamente pela articulação e acompanhamento da estratégia europeia de emprego, dos planos nacionais de acção para a inclusão e da coordenação aberta da política europeia de pensões, entre outras não menos exigentes missões.

ou será que quando o “antigo primeiro-ministro português considera que a opinião pública está agora mais preparada para aceitar reformas e garante que, actualmente, existe uma maior consciência para os problemas da competitividade económica”, se prepara para uma maior flexibilização, sem segurança, da Europa Social?


terça-feira, 17 de agosto de 2004

louvor n.º 527/2004

"... honra as suas capacidades de portuguesa e de mulher."


sexta-feira, 13 de agosto de 2004

louvor n.º 519/2004

(de Teresa Caeiro, ex-Secretária de Estado da Segurança Social)

"A essência da segurança social são as pessoas, as suas vidas, alegrias e desgraças."


quarta-feira, 11 de agosto de 2004

tribuna da desonra

custa muito ver o Eusébio misturado com o senhor Vieira e o senhor Félix


segunda-feira, 2 de agosto de 2004

Aljezur 30.07.2004

a todos os estimados/as
clientes que ainda näo
informo que a moagem
vai ficar fechada para
o moleiro também descansar
um pouco que será do
01.08.2004 a 15 do mesmo

reabre dia 16.08.2004

bom trabalho para quem
trabalha e boas férias
para quem tem férias
obrigado a todos.

(assinatura inelegível)

quinta-feira, 22 de julho de 2004

catenaccios conspirativos (II)

um clube que tenta envergonhar outro para vender lugares cativos, é um clube que se envergonha. os 'dirigentes' do Benfica estão ao nível deste governo atabalhoado


terça-feira, 20 de julho de 2004

alívio (II)

(TSF online)
 
Santana faz balanço positivo de 1º dia como PM

Santana Lopes fez esta segunda-feira um balanço positivo do primeiro dia como primeiro-ministro. À saída de uma missa de homenagem a Sá Carneiro, Santana anunciou que o orçamento de Estado vai ser apresentado dentro do prazo.
 
Neste primeiro dia «estivemos a preparar o programa do novo governo, a apresentar a assembleia, a preparar o orçamento do Estado, a fazer alguns pontos de situação relacionados com esta época do ano, como os incêndios, a descentralização, a segurança nas praias», disse Santana Lopes.«Em termo de política externa, o novo ministro da Agricultura (Carlos da Costa Neves) esteve hoje em Bruxelas num concelho de ministros», acrescentou.«Garanti também que o orçamento de estado será apresentado na data, a 12 de Outubro, apesar deste intervalo na actividade governativa»


sábado, 17 de julho de 2004

Marlboro Sarajevo

Ivo T. era e ficou comunista ... com um cravo vermelho no bolso ... como se estivesse esquecido que o 1.º de Maio já não se festeja ... faz de conta que não vê nem ouve, e quando tem mesmo de ver, responde com um emblema bósnio, um manguito.
Em sessenta e qualquer coisa elegeram Ivo T. para presidente da câmara. Chegava ao trabalho de bicicleta, como quem não quisesse distinguir-se dos operários. Tinha sempre as marcas das molas nas calças e a marca do assento atrás ... Este Tristac também o tinha comprado para ajudar a indústria nacional, e não como alguns que compravam Mercedes e ajudavam o capitalismo. Não passou nem um mês, Ivo T. demitiu-se ... Contava depois que não podia com criminosos.
...
E quando Tito faleceu, Ivo T. fechou-se no quarto e até à manhã seguinte bebeu um litro de gin ... E quando no funeral todos aqueles presidentes se levantaram enquanto baixavam Tito ao túmulo, levantou-se Ivo T. também. As lágrimas corriam-lhe enquanto se ouvia A Internacional.
... «Na minha casa o Natal não se festejará. Eu decidi-me uma vez por todas e não quero fazer como alguns. Lá fora é comunista, mas em casa parece a Catedral de Zagrebe» ...
Ivo T. dava-se bem com todos excepto com os ladrões ...


terça-feira, 13 de julho de 2004

alívio


João Pinto regressa ao Boavista

segunda-feira, 12 de julho de 2004

Calcanhotto no Jardim do Cerco (II)


music / makes the people / come together / music / makes the bourgeoisie / and the rebel / come together

don't think of yesterday / and I didn't look at the clock / I like to samba-reagge / it's like riding on the wind / and it never goes away / touches everything I'm in / got to have it everyday

(Madonna e Calcanhotto, resistentes vencedoras)

resistir é vencer


durante a II Guerra Mundial, a resistência pintava os cartazes nazis com um V vermelho de vitória, que viria. cada uma e cada um de nós tem muitos pincéis para empunhar

Calcanhotto no Jardim do Cerco


introduzia um grupo brasileiro, novo, que estivera há pouco em Portugal, mas que voltaria em breve, Los Hermanos (de Marcelo Camelo, que a Maria Rita já divulgara, e também de A Mulher Barbada na Cantada), 3 aplausos, 'como descreverei eles?'

- românticos, gritei-lhe

- como diz?, procurando-me com seu olhar ligeiramente estrábico

- românticos!

- é, pode ser

faltou dizer-lhe também trintões, barbudos, revolucionários, resistentes, vencedores

sexta-feira, 9 de julho de 2004

catenaccios conspirativos


se o Presidente Sampaio convidar um qualquer Ernâni Lopes para PM para evitar tomar a responsabilidade (que tem que assumir) de convocar eleições antecipadas, deixo de ser sampaísta

se a dupla Vieira & Veiga continuar a contratar um guarda-redes direito e um guarda-redes esquerdo para correr com o guarda-redes e substituir o melhor central dos últimos anos pelas comissões dos centrais brasileiros, deixo de ser benfiquista

terça-feira, 6 de julho de 2004

the economist

quando o ministèrio das finanças se diz proximo, quase umbilical, do banco de portugal, e a OCDE se nomeia 'salvaguarda' da economia e da politica portuguesa, não me orgulho nada em (querer) ser economista

sexta-feira, 2 de julho de 2004

Recado para um mentiroso (III)!

Algures neste prolígero blogue de nome Afixe, um dia se re-inventou o descaramento e a desfaçatez!
A carapuça há-de-lhe servir...ou não fosse ele um rapaz inteligente!

Andrews

Recado para um mentiroso (II)!

No caso do Durão, o post anterior a este nem sequer faz sentido. Ele está muito para além da mentira, num terreno indefinido, palavra não inventada. E boa memória até deve ter, o que também não lhe falta é descaramento!

Andrews

Recado para um mentiroso!

"É indispensável boa memória após se haver mentido."

Corneille

Andrews

quinta-feira, 1 de julho de 2004

venha outra

o povo republicano já derrotou uma monarquia laranja

terça-feira, 29 de junho de 2004

sms

todas e todos ao aeroporto evitar que Durão fuja à tropa dele

segunda-feira, 28 de junho de 2004

Descoberta

(Los Hermanos)

Sai, que eu já não te quero mais
Sai por que hoje eu descobri
Que posso viver sem ti
Que posso viver em paz,
Muito bem sem teu amor
Sai por que agora eu sou
Um homem bem mais feliz
Um homem bem mais feliz
Vai, hoje a lagrima não cai
Sei agora o mal que faz
Dar amor a quem não ama,
Dar amor a quem só traz
Ódio e desilusão
Que maltrata um coração
Precisando de carinho
Precisando de carinho
Minha amada
Não consigo mais viver ao lado teu
Não consigo mais te dar o meu amor
Hoje vivo muito bem sem tua boca
E sozinho não conheço mais a dor

sábado, 26 de junho de 2004

Cidadania Aberta

À Presidência da República


Portugal, 26 de Junho de 2004








Venho por este meio manifestar a Vª Exa., enquanto cidadão atento e interessado na construção cívica do país, a minha disponibilidade para o cargo de Primeiro Ministro de Portugal, informado que fui que o cargo se encontra disponível a quem quiser assumir as reponsabilidades de tão importante função.


Desde já lhe garanto a minha total fidelidade ao conteúdo programático que tenho em mente, e, embora sabendo que não é um programa particularmente populista, estou certo que tranquilizará Vª Exa., e, até se perspectivarem melhores oportunidades políticas, económicas ou outras, comprometo-me a dignificar o cargo através da fidelidade ao programa político inicialmente assumido pela minha pessoa e respectivo gabinete.


Em anexo, envio-lhe a constituição do executivo.








Atenciosamente,


Um cidadão preocupado











Ministro das Finanças..................................................... Pedro Escobar


Ministro da Economia...................................................... Mello Antunes


Ministro da Educação...................................................... Gilberto Madaíl


Ministro da Cultura ........................................................ Ministério a extinguir


Ministro da Ciência e do Ensino Superior.............................. Ministério a extinguir


Ministro da Saúde............................................................ Saraiva Almeida


Ministro da Defesa............................................................ Ulrrico Bota


Ministro dos Negócios Estrangeiros....................................... João V. Pinto


Ministro da Solidariedade Social............................................ Ministério a extinguir


Ministro da Administração Interna......................................... Manuel Damásio

Ministro da Mobilidade Social[1].............................................Santana Lopes



--------------------------------------------------------------------------------

[1] Ministério a criar

sexta-feira, 11 de junho de 2004

pop super, super rock


depois de muse, los hermanos, gomo e toranja, eis que chegam pixies, pluto, clã e massive attack. do Marcelo Camelo fica a descoberta de mais letras calcanhottianas, "não consigo mais viver ao lado teu / não consigo mais te dar o meu amor / hoje vivo muito bem sem tua boca / e sozinho não conheço mais a dor"

quarta-feira, 9 de junho de 2004

Enrico Berlinguer


Noi siamo convinti che il mondo, anche questo terribile, intricato mondo di oggi può essere conosciuto, interpretato, trasformato, e messo al servizio dell'uomo, del suo benessere, della sua felicità. La lotta per questo obiettivo è una prova che può riempire degnamente una vita.

quinta-feira, 3 de junho de 2004

outro novo Américo Tomaz (ou será do ovni?)

"Carmona Rodrigues anunciou a intenção de revelar dentro de pouco tempo a ideia do Governo em criar uma ligação entre o Metro de Lisboa e o Metro do Sul do Tejo. O objectivo é construir um túnel sob o rio Tejo." (última hora)

um ministro deste governo anuncia a intenção de revelar dentro de pouco tempo a ideia. já não lhes basta as inaugurações em campanha eleitoral

terça-feira, 1 de junho de 2004

outro Junho é possível


... sem o Euro, sem o calor excessivo, sem as calúnias e a má educação em comícios da coligação, sem a Casa Pia. e começou há poucos minutos, com Os Outros de Alejandro Amenábar e Nicole Kidman. em www.cinemateca.pt

(João, desculpa continuar a abusar do blog)

sexta-feira, 28 de maio de 2004

coligação


durante os próximos dias não vale a pena outra luta desunida. todas e todos pelo Carvalhas, pelo Louçã, pelo Sousa Franco, pelas deputadas de Os Verdes. todas e todos contra a arrogância de quem parece unido em torno do Durão e da coligação

quarta-feira, 19 de maio de 2004

o novo Américo Tomaz

(do site da C.M.Lisboa)

2004-05-18
Santana Lopes na Jubilação de Fraústo da Silva

O Presidente da Câmara Municipal de Lisboa assistiu à última aula do Professor Fraústo da Silva, no Instituto superior Técnico, no dia 18 de Maio.
Com a presença do Presidente da República, Jorge Sampaio, e do Presidente da CML, Pedro Santana Lopes, o Professor Fraústo da Silva proferiu a sua última aula no Instituto Superior Técnico, na ocasião da sua jubilação, no passado dia 18 de Maio.


Safe Area Gorazde

(de Joe Sacco)


Joe: (But I was trying to break the ol'ice-aroo with Emira, the 19-year-old translator who'd been assigned to us for the afternoon.)

(Okay! Scratch that opening? But before I could think up another klunker she was asking me if I'd come back to Gorazde again.)

(Again? I've just gotten here, my dear.)


Emira: If you come again, is it possible?

Can you buy some Levi's for me in Sarajevo? 501's, Originals. I can give you the money.


Joe: (She gave me her sizes.)


Emira: But they must be Originals.


Joe: (Where were we?)

(Gorazde!)

(An almost exclusively Muslim enclave...)

(There were barrels of armed Serbs between here and the nearest pair of Originals.)


segunda-feira, 17 de maio de 2004

merecemos melhores cartazes


não comento os cartazes da outra coligação que não a CDU, nem os do Manel nem os da Ilda, não vou votar neles. não vou comentar o cartaz da rapaziada que faz guerra ao desemprego, pois também não voto nela (e se o comentasse, diria que é o melhor do Bloco desde sempre). vou votar no PS, no PS que importou uns cartazes horríveis, que confundem 'mais solidariedade' com um velho a beijar uma velhota sorridente, que confundem 'melhor economia' com 4 yuppies cheios de gana que até parecem ter levado à falência pequenas empresas. já não bastavam os da concelhia de Lisboa sobre a segurança na capital, o cartão amarelo em época pré-apito dourado, ciclo de maus cartazes felizmente invertido com as recordações do europeísmo do PS e as comparações da evolução de alguns indicadores em Portugal e na Europa nos últimos anos, tinham que encher Lisboa (e até Terena, no Alandroal) com estas americanices. antes a rosa com o punho envergonhado

sexta-feira, 14 de maio de 2004

Abril em Maio

até segunda-feira, a feira da Abril em Maio, no Regueirão dos Anjos:

À ABRIL EM MAIO não interessa "o cultural" em que a cultura se transformou, mas a cultura enquanto "conjunto de saberes, de saberes-fazer e de saberes-viver, fundado numa prática colectiva em que os indivíduos e os grupos são actores da sua própria existência".

À ABRIL EM MAIO interessam, sim, os produtos culturais (e muitos deles são arte) que, pelo modo como são produzidos e reproduzidos e o valor de uso que podem ter, resistem à instrumentalização política e económica. Aqueles que, de uma maneira ou de outra veiculem ideais de solidariedade e cooperação, visando a transformação, e que combatam o autoritarismo, a ideologia competitiva, o discurso dominante e os ditames do mercado.

À ABRIL EM MAIO interessa o trabalho dos intelectuais e dos artistas que, em vez de aceitarem, aprovarem e aplaudirem a ordem estabelecida, a contestam, a criticam e tentam combatê-la.


(http://go.to/abrilemmaio)

Japanese Story

(http://www.pilbara.com/)

que tem em comum com Lost in Translation, Historias Mínimas, The English Patient?

quinta-feira, 13 de maio de 2004

Maio mês de ...


Maio é mês de Maria, do coração e do Trabalhador. Durão & Bagão pensam decretar Maio mês de trabalho sem coração para a Maria e o Manel

Eurofestival sem Durão?


não cheguei a casa a horas de ver toda a meia-final do eurofestival da canção. não vi 'a nossa' Sofia, mas vi a presença da Croácia, Sérvia-Montenegro, Bósnia-Herzegovina, Holanda. quando foram as votações, percebi que afinal Portugal estava mesmo presente. e Durão, esteve em Istambul? ou só vai a finais?

quarta-feira, 12 de maio de 2004

tod@s à Cova da Iria

(Luciano Alvarez, sobre a não ida do PM em visita oficial ao México)

Já estamos todos a ver Durão Barroso no estádio Gelsenkirchen a gritar "força Portugal", acompanhado por alguns deputados socialistas soprando freneticamente os seus apitos amarelos (os amarelos e não os dourados) enquanto puxam pelo FC Porto. Já agora que vá também o dr. Paulo Portas, mas que se faça acompanhar pela Senhora de Fátima, que segundo o ministro, nos livrou do crude do Prestige. Já que vale tudo que se leve também a Santa à Alemanha.

terça-feira, 11 de maio de 2004

Otto

(para irmãs como a S.)

Distraída pra morte
Eu estava sim
Distraída pra morte
Eu estava sim.

E no enterro
Pra que o trabuco?
Matar defunto
Não é legal.

Eu só chorei
Porque era um pobre
Que estava aí

São quatro corpos deitados
Todos eles ensanguentados
Mas o que é que eu posso fazer?
Eles são desempregados

segunda-feira, 10 de maio de 2004

Clã rosa carne

Às vezes o nosso amor adora morrer
P’ra voltar e voltar a correr
Parece que o nosso amor se evapora
Hora a que o ar do lar o aquece e devora
Às vezes o nosso amor tropeça só
Para que o chão lhe peça – “levanta-te depressa”

Às vezes o nosso amor adora sangrar
P’ra se esvair e voltar a estancar
Às vezes o nosso amor adora lamber
A cicatriz que insiste em conceber
Parece que o nosso amor se desflora só
Para que o céu lhe peça – “benze-te depressa”

Às vezes o nosso amor acalora
Para que a água estale a pele a ferver
Às vezes o nosso amor decora, ora
Parece que o ar do lar o estupora
Às vezes o nosso amor descola só
Para que peça a peça se junte numa peça

O nosso amor adora suster
O ar que inspira e sorve só p’ra verter
Às vezes o nosso amor demora a crescer
Parece que tem medo de não caber, de não caber

sexta-feira, 30 de abril de 2004

Para Dolores (Ibárruri, "Pasionaria")

(de Rafael Alberti)

Dolores, ya llegó el dia:
El pueblo no te ha olvidado.
Gandera de valentia,
que por ti el pueblo ha gritado:
!Más vale morir de pie
que vivir arrodillado!

Acaba hoje o MÊS de Abril



Tinha decidido, para mim mesma, durante tudo este mês de Abril colocar todos os dias aqui uma gravura alusiva à Revolução do dia 25.
Hoje acabo com o símbolo que nos tornou conhecidos por todo o lado. Foi a Revolução dos Cravos. Possam eles não murchar é o que mais desejo.
M.L.

quinta-feira, 29 de abril de 2004

as eleições do ACP


nunca pensaria em votar nas eleições do ACP, como nunca pensei em votar nas eleições para a ordem dos Economistas (só quando uma das candidaturas propuser a extinção da dita). mas como um dos candidatos, provavelmente o vencedor, deve pensar que por ser presidente da maior associação portuguesa não deverá ter problemas com a justiça, fui votar noutra lista que não a A - ou pensava ir votar: sou sócio há menos de um ano, não tenho direito a voto. se ainda fosse por nunca ter chamado o serviço de reboques, por não ter seguro ACP ou por não comprar pacotes turísticos do ACP, por não ter um porta-chaves do ACP nem ler a revista do club, ainda aceitava, agora 1 ano cativo? nem o PS, que é um partido, exige tanto


O menino e o soldado



Teria sido esta imagem que inspirou o mais famoso poster do 25 de Abril?
Aqui está tudo mais ao vivo, menos trabalhado, mas o sorriso é o mesmo e a confiança entre a criança e o militar é linda!
M.L.

quarta-feira, 28 de abril de 2004

As paredes falaram por todo o país




Este até não é grande coisa, mas os melhores murais foram deste partido. Podia não se gostar da mensagem mas o impacto era excelente.
M.L.

terça-feira, 27 de abril de 2004

Uma chama que é flor




Ainda estamos em Abril, pelo calendário...
M.L.

segunda-feira, 26 de abril de 2004

Sempre Abril

Não foi ontem, foi há 25 anos:


Mas ontem também foram muitos...
M.L.

domingo, 25 de abril de 2004

Unite Against Fascism

FESTA!!!!!!!!!!!!!!!


FOI....hoje!



Chegámos!!!!!
Hoje é mesmo 25 de Abril!
Estamos em FESTA!
M.L.

25 DE ABRIL, LIBERDADE E DEMOCRACIA. Porque Abril é... Revolução

MADRUGADA DE CONSPIRAÇÃO

MANHÃ DE LIBERDADE

DEMOCRACIA


VIVA O 25 DE ABRIL!

sábado, 24 de abril de 2004

Hoje é véspera!

Faltam poucas horas mas muito poucos o sabem.




As flores tinham sido colhidas.
Os soldados estavam nos quarteis.
A "senha"estava decorada.
O povo continuava a sua vida sem saber que muito em breve TUDO ia ser diferente.
Tudo a postos era a última noite da ditadura. Ia acabar a "longa noite" de quase meio século.
M.L.

sexta-feira, 23 de abril de 2004

Imprensa Livre

Ainda só tinham passado dois dias:



Finalmente escrevia-se sem censura.
Ainda custava acreditar que cada um só era responsável perante a sua consciência!
M.L.

quinta-feira, 22 de abril de 2004

A Guerra tinha acabado!!!

Foi assim:



O povo anónimo e os militares.
O sonho era o mesmo.
Tinha acabado a guerra e a ditadura.
Um mar de alegria!!

M.L.