terça-feira, 31 de janeiro de 2006

fim de mês: o melhor

rever o Dinis e o Gil, antever a derrota por 0-1 a 21 de Fevereiro e a vitória 2-1 em Liverpool, antecipar a festa do título no final de Abril frente ao Vitórria, saírem os cromos do Record do Chalana (a semana passada), do Diamantino (ontem) e do Rui Costa (hoje), cheirar o sol na foz do Arelho

fim de mês: o pior

ida a Fátima na 6ª feira, a capa do Local do Público de sábado sobre a demolição do cinema Europa, multa da EMEL perto do departamento quando é sábado e ainda não passam das 14 horas, descobrir um Roteiro da Freguesia da Ajuda e não encontrar a Abastecedora da Memória, comer coiratos mal passados, nevar em Lisboa e estar em Setúbal, as derrotas do Benfica na Superliga, do Portimonense do Diamantino na Liga de Honra e do Atlético na III Divisão, perder o Cronenberg na Cinemateca e a Sarajevo de Godard em For Ever Mozart

Relativismo (II)














B.M.C

venham mais cinco

Há uma espécie de clara lucidez que certos momentos nos emprestam, que, às vezes, é verdade evidente e outras não, mas ainda assim nos vai chegando. A certa altura, diz Eça, sobre portugal e os portugueses,“a alma de um povo define-se bem a si mesma pelos heróis que ela escolhe para amar e para cercar de lendas”. Que dizer, então, de um tempo e de um país que faz caminhar as suas escolhas em direcção a um qualquer cavaco-mito? Que grandeza ou vontade haverá em nós agora? E daqui a 3, 5, 10 anos? Nove de Março é já aqui.

SC

segunda-feira, 30 de janeiro de 2006

Relativismo
















B.M.C.

subscrevo



SC

prenúncio?



perto de mais (II)

sempre a aliança, como no não te movas

nem moral nem imoral, humano, com uma pitada de sorte e de culpa

sábado, 28 de janeiro de 2006

belas edições


Agora, em português

SC

sexta-feira, 27 de janeiro de 2006

quinta-feira, 26 de janeiro de 2006

Chez Amina

couscous cote d’agneau, café arabe


insularidade?


Aeroport de Bruxelles, € 22,50
Travelshopping da república, € 18,00
Travelshopping Açores, € 16,00

quarta-feira, 25 de janeiro de 2006

poemas que ficam (iii)



Como eu amei as raparigas lá de casa

discretas fabricantes da penumbra
guardavam o meu sono como se guardassem
o meu sonho
repetiam comigo as primeiras palavras
como se repetissem os meus versos
povoavam o silêncio da casa
anulando o chão os pés as portas por onde
saíam
deixando sempre um rastro de hortelã
traziam a manhã
cada manhã
o cheiro do pão fresco da humidade da terra
do leite acabado de ordenhar

(se voltassem a passar todas juntas agora
veríeis como ficava no ar o odor doce e materno
das manadas quando passam)
aproximavam-se as raparigas lá de casa
e eu escutava a inquieta maresia
dos seus corpos
umas vezes duros e frios como seixos
outras vezes tépidos como o interior dos frutos
no outono
penteavam-se
e as suas mãos eram leves e frescas como as folhas
na primavera

não me lembro da cor dos olhos quando olhava
os olhos das raparigas lá de casa
mas sei que era neles que se acendia
o sol
ou se agitava a superfície dos lagos
do jardim com lagos a que me levavam de mãos dadas
as raparigas lá de casa
que tinham namorados e com eles
traíam
a nossa indefinível cumplicidade

eu perdoava sempre e ainda agora perdoo
às raparigas lá de casa
porque sabia e sei que apenas o faziam
por ser esse o lado mau de sua inexplicável bondade
o vício da virtude da sua imensa ternura
da ternura inefável do meu primeiro amor
do meu amor pelas raparigas lá de casa.


Emanuel Félix
Habitação das Chuvas

SC

em audição (telepática)



ouça-se


SC

terça-feira, 24 de janeiro de 2006

almoço pelo bairro (II)

aproveitar para comparar duas estranhas faces da mesma moeda: Veiga hoje de manhã a criticar o senhor Nuno e M. Sousa Tavares ontem à noite a elogiar os quasi-400 jogos do 99 do fcp

À propos...



The art of losing isn't hard to master;
so many things seem filled with the intent
to be lost that their loss is no disaster.

Lose something every day. Accept the fluster
of lost door keys, the hour badly spent.
The art of losing isn't hard to master.

Then practice losing farther, losing faster:
places, and names, and where it was you meant
to travel. None of these will bring disaster.

I lost my mother's watch. And look! my last, or
next-to-last, of three loved houses went.
The art of losing isn't hard to master.
I lost two cities, lovely ones. And, vaster,
some realms I owned, two rivers, a continent.
I miss them, but it wasn't a disaster.

--Even losing you (the joking voice, a gesture
I love) I shan't have lied. It's evident
the art of losing's not too hard to master
though it may look like (Write it!) like disaster.

Elizabeth Bishop


SC

segunda-feira, 23 de janeiro de 2006

em leitura



SC

ser de esquerda.

Sena da Silva



é preciso, é urgente, continuar a reinventar este país que hoje acordou cinzento

SC

Utopia

Cidade
Sem muros nem ameias
Gente igual por dentro
Gente igual por fora
Onde a folha da palma
afaga a cantaria
Cidade do homem
Não do lobo, mas irmão
Capital da alegria

Braço que dormes
nos braços do rio
Toma o fruto da terra
É teu a ti o deves
lança o teu
desafio

Homem que olhas nos olhos
que não negas
o sorriso, a palavra forte e justa
Homem para quem
o nada disto custa
Será que existe
lá para os lados do oriente
Este rio, este rumo, esta gaivota
Que outro fumo deverei seguir
na minha rota?

sábado, 21 de janeiro de 2006

o incompreendido

“Diagnosticar é relativamente fácil, actuar revela-se um caminho bem mais tortuoso e incompreendido. Eu que o diga.”
(ex-ministro da Segurança Social e do Trabalho e das Finanças, in Expresso, ontem)

contentes os manos?

Belenenses: Pedro Barbosa
esteve no Estádio do Restelo

Rui Jorge apresentado
sob olhar de fã especial

(in Record, hoje, pág. 21)

Intus

dia de reflexão na Gulbenkian, com uma amiga do Europa


sexta-feira, 20 de janeiro de 2006

dia de reflexão


game. set. match.




SC

o fim-de-semana que passou (VIII)

as eleições no Chile, prenúncio das eleições quando o Evo tomar posse

o fim-de-semana que passou (VII)

no final do jogo de domingo, enquanto o Tó Pê se entusiasmava com a entremeada, eu e o Idílio vibrávamos com o 2º golo do 99 do fcp. com os festejos, aumentaram as dores do choque da semana anterior. afinal, foram 2 costelas, 4 semanas pelo menos

wishful thinking?

Soares 22%, Alegre 13%, Jerónimo 8%, Louçã 7%

revoluções

podem ser como algumas agendas, intemporais. como as amizades

a futura 1ª dama



a pergunta da semana

e se o Soares arriscar um comício no Rossio, mesmo que chova?
perdido por 1, ganho por 100 (não foi assim em 85/86?)

resposta: temos que esperar pela 2ª volta!

o agente da CIA

Pereira, “Mais uma vez, disse estar convencido que as eleições presidenciais vão ficar resolvidas no próximo domingo, à primeira volta, com a vitória de … sobre os cinco candidatos de esquerda”.

cinco? só conheço 4




(mesmo que 1 deles pareça fazer uma campanha um bocadinho apatetada e saudosista)

quinta-feira, 19 de janeiro de 2006

wishful thinking

uma segunda volta

SC

Enquanto deveria estar a estudar: Miles Davis

Segundo o site oficial de Miles Davis, a carreira musical dele pode ser dividida em 7 fases:

1 - His tenure as a side man 1945-47
2 - Birth Of The Cool sessions 1948-50
3 - the "lost" period 1950-53
4 - hard-bop 1953-55
5 - the great quintets and sextets 1955-67
6 - fusion/rock 1969-75
7 - "the comeback" 1980-81


O álbum deste post é o Bitches Brew de 1970. Segundo li, é frequentemente considerado como o "criador" do estilo Jazz-Rock, e um dos mais revolucionários e influentes álbuns.
B.M.C.

quarta-feira, 18 de janeiro de 2006

enquanto se estuda (para o Bruno)



À propos...







a iconografia mexicana abre-se ao mundo....


SC

sempre os economistas

saber que as ideias, o trabalho e a dedicação de muitos vão dando frutos e ajudando a que os Açores se mantenham com a mais baixa taxa de desemprego do país.

SC

proeza



conseguir ver todos estes filmes antes das presidenciais


SC

ainda os economistas (II)

o quadro de honra da Dia D desta segunda-feira, considerava os chumbos como relevantes e patéticos, “um pesadelo” segunda a interpretação da revista da matriz BCG

o texto, “Um terço dos alunos do ensino secundário não conseguiu transitar para o ano seguinte, na época de 2003/2004. Quem disse que os burros são uma espécie em vias de extinção?”, era acompanhado por um desenho de um suposto burro

estes ‘economistas’ do pasquim pseudo-revista de economia, deviam ter meditado na entrevista da senhora Ministra da Educação, ontem à noite, com o inenarrável Mário Crespo. aprendiam e não asneiravam. asnos! (sem ofensa para os ditos)

contas bem feitas

“… faltam 4 dias … menos de 8 dias …”
(candidato presidencial com formação em economia,
que escolheu para dia + longo da sua vida na Dia D,
o da defesa da tese de doutoramento na LSE)

Ora Aqui Está Uma Boa Notícia...

Cavaco Silva continua a descer nas intenções de voto, (...) os dados revelados denunciam ainda uma ligeira subida dos outros candidatos, com excepção de Francisco Louçã.

BB

Enquanto se estuda: Keith Jarrett

O album The Köln Concert, é uma das obras-primas de Keith Jarrett. Tudo que Keith faz ao piano durante os inspirados 66 minutos é espontâneo e improvisado. Apesar disso - ao contrario de muitos que parecem perder-se em improvisos pretensiosos de sentido duvidoso - Keith, enquanto explora a harmonia e a melodia, envolve-nos numa bela viajem sonora.


B.M.C.

terça-feira, 17 de janeiro de 2006

poemas que rondam (vi)

A palavra é o desejo do espaço e o espaço do desejo
para que tudo o que em nós é confuso e vago
se transforme em leve arquitectura
com janelas para o mar ou campos ondulados

Não sabemos de onde vem esse desejo incandescente
se é do sangue da terra ou de um voluptuoso vento
e por isso ignoramos se o que escrevemos coincide
com o que em nós se cala numa intérmina neblina

Mesmo quando a palavra é tranparente e nua
nunca elimina esse silêncio de montanha imersa
e assim o que nunca foi dito ficará não dito
tão inatingível como a monótona claridade do dia

António Ramos Rosa

SC

o fim-de-semana que passou (VI)


confirmar que estavam na Luz menos vermelhos que na véspera no Pavilhão Atlântico e no Parque das Nações

como diria um camarada, o Jerónimo não ganha mas ajuda

segunda-feira, 16 de janeiro de 2006

em audição (disc two)



o fim-de-semana que passou (V)

sair da Castilho atrasado para a Luz, vislumbrar adeptos do fcp junto ao Altis, agitar o cachecol vermelho e branco e enfiar o boné do Glorioso, e gritar ao segurança: "vai ver que eles saem derrotados da Reboleira logo"


o fim-de-semana que passou (IV)

acordar no domingo com a capa do Público e o aumento do fosso entre ricos e pobres em Portugal. reparar que misturam evoluções com base em instrumentos que diferiam entre 1995-2001 e 2002-2003. que os "especialistas em questões de pobreza e exclusão social" citados são apenas dois, e demasiado redutores para um tema de capa. lamentar que a pobreza persistente seja maior mal que a pobreza relativa, ainda que menos destacada

o fim-de-semana que passou (III)

encontrar numa banca de usados no Chiado,
por apenas 2x5 euros, os 2 álbuns de A Doninha


contra esse obtuso sr. silêncio


Falaremos até ao fim, luís


SC

o fim-de-semana que passou (II)

anunciava o Público que os candidatos a PR revelariam os seus vinhos preferidos, para não perdermos o suplemento Fugas de sábado. o candidato que não diz que autor leu sobre o terramoto de Lisboa para não ser injusto para com os outros, diz que não houve um vinho marcante na sua vida, e, "se houvesse, não o dizia", como se depreende pela resposta que deu ao jornal: "Eu não sou especialista de vinhos e estar a escolher um poderia ser injusto em relação aos outros. Não costumo beber vinhos. Para mim, os vinhos bons são os vinhos portugueses."

tem mesmo muito que aprender, e pode começar por um dos blogs do Nuno



o fim-de-semana que passou (I)

os jornais de sábado traziam o comunicado da véspera do Presidente da Rapública. num dos parágrafos lia-se que "Esta manhã [sexta-feira, presumo], o Senhor Procurador-Geral da República deu-me nota de que, hoje mesmo, daria início às necessárias averiguações."

daria? outra competência tivesse e pelo menos afirmava que já tinha dado início às necessárias averiguações

sexta-feira, 13 de janeiro de 2006

despedida


Om namo gurudev namo
Ad gurei namei
Jugad gurei namei
Sat gurei namei
Siri gurudev e namei

Sat nam


SC

sexta-feira, 13


lua cheia

SC

quinta-feira, 12 de janeiro de 2006

Da Argentina

[Atrevo-me a alimentar o cão]

Aqui há umas semanas andaram por este blog uns posts "argentinos". Atiro este osso ao cão, a ver se ele lhe pega... É osso argentino, de boa qualidade [e com muito bom aspecto, acrescente-se].



João M. Gonçalves

saudades de murais futuros


contra o caruncho, o bicho da madeira e os buracos das cavacas

saudades de murais passados

na praça da antiga FIL, à Junqueira: GOVERNO CACO TUDO PIORA (anos 80/90)

capa do Público de hoje

"Louçã passa de fugida pela sua Salvaterra"

mas vi-o a estender a mão a duas velhotas desdentadas e logo de imediato beijar a loiraça quarentona

artigo no DN de ontem

de Nuno Valério, economista e professor de história económica, quanto aos erros de casting com economistas na Presidência da República

em audição (una cosa mentale)




SC

belos programas


Tapiès, "Suite Catalana, 3", 1972

Antes de Barcelona



SC

quarta-feira, 11 de janeiro de 2006

terça-feira, 10 de janeiro de 2006

haja dinheiro, FJV, haja dinheiro...


Diz-se.




SC

em audição (belo alinhamento)

Pearl Jam- American Acoustic Tour 1992



SC

segunda-feira, 9 de janeiro de 2006

nova vitória


sexta-feira passada, 2º jogo em relvado, 2ª vitória consecutiva:
Benfica 7 – restantes 2

Conselho Superior de Estatística

já em Dezembro, quando visitei o Salão Nobre do INE, reparei na fotografia oficial do PR, entre os frisos que parecem saídos de Mestre Almada (não sei de quem é a autoria) e históricos exemplares de estatísticas produzidas da Argentina à Lituânia, da Nova Zelândia à União Soviética, de Cabo Verde ao Panamá

hoje reparo que apesar do porte distinto do PR, a fotografia está descentrada, deixando espaço em demasia para os cortinados em fundo


espero que em próximas reuniões após a substituição da fotografia, encontre a barriga do Marocas a ocupar 2/3 do quadro


contas mal feitas (II)

sejam da Católica ou da Marktest com 601 entrevistas

em audição

Did you see the words

Have you seen them, the words cut open
Your poor intestines can’t deny
when the inky periods drip from your mailbox
and blood flies deep and glide reach down inside
there's something living in these lines
And when your newest kisser is peeking
You dress yourself up tonight
get all tangled up in arms and legs

it’s cramped up and someone grabs a hold
do you go ohhhhhh.



There’s something starting don’t know why.
And in a house so cozy few words are spoken let's take our shoes off
and unwind when there's minuets off in the background drowning out eyes
off ears off test the kiss goodnight.

Don’t keep my loving on my mind.
Because it's messy yes this mess is mine
though mine is messy yours is maybe nine

look we’ve had similar stiches. Look we have similar frowns.
Do the elderly couples still kiss and hug
and grab their big wrinkly skin so tough
wrinkly wrink wrink wrinkly rough….

Did you see the words you know,
give me rabies bring you babies at the hospital
Violent ends with friends that go.
I kissed a few in sticky shoes our cartoon show is broken.


Ouça-se


SC